Conselhos ao João-de-barro (ou Nota de repúdio à construção de paredes)

00000 Mhanoel Mendes Flagrada No Oikos Em Criciuma SC

Conselhos ao João-de-barro (ou Nota de repúdio à construção de paredes)

Querido amigo João-de-barro, estão dizendo que você aprisiona a sua amada no ninho até a morte caso ela te traia. Alguns afirmam, mostram provas e aprovam; enquanto outros dizem que é mito. Seja como for fiquei estarrecido. Eu poderia começar perguntando-lhe o que é traição, ou posse, ou insegurança. Mas existem outras coisas que preciso lhe dizer.

Deixe o amor livre: asas são para voar!

Na nossa vida, que as paredes sejam nada mais que ambiente para quadros, calendários, relógios e poeira no rodapé. Aprisionar não é cuidar, lembre-se! Assim como seu canto é mais belo ares afora, o da sua amada também é.

Simbiose não é amor. Empatia sim.

Manter o ninho aconchegante é essencial, mas que seja tarefa mútua. Não incuta responsabilidades demais, expectativas demais, culpas demais. (Culpas, aliás, de forma alguma!) Tudo que é demais transborda. O voo, por vezes, pode ser solitário, mas não precisa ser triste.

Não pense que você é a gênese de todo o afeto que ela pode receber. Ou que ela é a única fonte de todo o seu carinho. Claro que ao seu lado ela emana alegria. Mas por mais que doa, entenda: sem você, antes de você e além de você ela existe. O amor próprio a faz assim. Forte assim. Não venha fazer disso motivo para sugar os sentimentos que ela tem. Permita que ela se ame e a ame por isso. Não dizem que quem não ama a si mesmo não pode amar mais ninguém?

Ninguém é tão superior a você que deva carregar nos ombros a tarefa de lhe resgatar da solidão; ninguém é tão inferior a você que deva se submeter.

Manter o encanto vivo e a amada segura não é o mesmo que erguer paredes. No barro duro e seco, que cerceia, o encanto não floresce, não frutifica e não amadurece. Pelo contrário, ele morre. Vira dor. E mais que o barro, a dor aprisiona: ela e você. Então, ao menos construa portas e janelas nas suas paredes. Deixe o ar entrar. Deixe sair. Não dizem que o tempo vai e o vento vem? Seja confiante, meu querido amigo. Alguém muito carente não ama, aprisiona.

Ciúme não é respeito. Liberdade sim.

Ah, não esqueça a cautela ao escolher a árvore para construir seu ninho: que não seja alta demais, baixa demais, frágil demais, dura demais. Haverá tempos de chuva; então absorva. Ventos fortes virão; flexibilize. Quando o sol for intenso; seja sombra. E não se esqueça das suas raízes: elas devem ser seguras e profundas. Pois você bem sabe: todos nós temos raízes. Você, eu e a sua amada. Não lhe peça para abrir mão delas. Entrelace-as às suas.

Finalmente, se nada disso fizer sentido pra você, sinto lhe dizer querido amigo: ela vai voar. Você acredita que ela veio do barro e para lá deve voltar. Mas veja: há muito ela não é aquela massa que você molda à sua imagem e semelhança.

E você, querida amiga, voe!

Seja o amor livre: asas são para voar.

TEXTO ESCRITO POR SAMUEL SILVA | TERAPEUTA COMPORTAMENTAL E COACH DA EQUIPE GHOEBER MORALES TERAPIA & COACHING

 

16 Comments

  1. Renata Alves
    Renata Alves04-17-2015

    Texto lindo. Parabéns Samuel!

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      Muito obrigado, Renata!
      Fico feliz por você ter gostado.
      Abraço! ^^

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      Muito obrigado, Renata!
      Fico feliz por você ter gostado. Sinal de que o texto cumpriu o objetivo: tocar as pessoas. Esse seu feedback é muito motivador.
      Abraço! ^^

  2. Juliana Mafia
    Juliana Mafia04-17-2015

    Maravilhosa e inspiradora contribuição! Obrigada, Samuel, por compartilhar conosco uma percepção tão clara e bela.

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      Obrigado, Juliana!
      Agradeço o carinho, ele me inspira!
      Essa é a percepção que eu tenho de um aspecto recorrente em alguns relacionamentos (ciúme e possessividade) e que algumas pessoas não param para refletir ou, pior, acabam considerando como natural, como prova de amor. O amor é uma coisa boa, se nos faz sofrer algo está fora do lugar. Não é mesmo?
      Abraço! ^^

  3. Vanessa Monteiro
    Vanessa Monteiro04-17-2015

    Fico pensando em quantas pessoas aprisionamos ao longo de nossas vidas, de forma pequena, mas egoísta. Temos a mesma necessidade que o outro, mas ficamos tão perdidos em nós mesmos que não percebemos o quanto fazemos mal a eles.
    Palavras de amor, Samuel ! Parabéns pelos pensamentos ! Se cada um pudesse absorvê-lo ao máximo, tenho certeza que tudo seria mais prazeroso na vida.
    Grande abraço !

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      Você tem razão, Vanessa! Ao longo da vida, por diversas razões, acabamos aprisionando pessoas em diversas relações (namoro, amizade, laços familiares). O afeto que é também um gesto de cuidado, acaba ganhando contornos egoísta e passa submeter o outro às nossas vontade. É necessário ficar atendo a isso: tanto às paredes que construímos, quanto às que permitimos que se ergam ao nosso redor.

      Obrigado pelas palavras de carinho! Isso me inspira cada vez mais! ^^
      E a vida deve ser assim: uma busca por afeto e leveza. O amor não deve doer, mas sim ser fonte de prazer!

      Grande abraço! ^^

  4. Allan
    Allan04-17-2015

    Lindo texto!

  5. Thaís Vig
    Thaís Vig04-17-2015

    Uau, que bacana!
    Estou muito feliz com a mensagem, Samuel.
    O amor ainda é incompreendido, por muitos, em sua verdadeira essência.
    Parabéns, continue nos encantando com sua sensibilidade!
    Abraços.

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      Muito obrigado, Thaís!
      E eu fico ainda mais feliz com as suas palavras. Que bom que você gostou! 😉
      E concordo com o que você disse sobre o amor ser incompreendido na sua verdadeira essência. A sociedade acaba nos ensinando e mostrando modelos de relações pautadas em possessividade como se isso fosse uma das facetas do amor. Não é! E se a gente segue esse engano, acabamos nos envolvendo e desenvolvendo relações nada congruentes.
      Vou continuar sim e espero mais diálogos com você.
      Abraço! ^^

  6. Lílian
    Lílian04-18-2015

    Muito lindo seu texto Samuel. Palavras encantadoras.
    Obrigado por compartilhar seu pensamento conosco, achei super válido.
    Dá pra pensar em muitas prisões que as vezes nós mesmos criamos e tornamos o outro prisoneiro das nossas vontades. Erguemos paredes para satisfazer o nosso ego e esquecemos da liberdade e subjetividade do outro, através dessas atitudes egoístas, esquecendo que as pessoas também tem sentimentos e vontade própria.
    Parabéns!

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-18-2015

      É exatamente isso Lílian!
      Esse sentimento de possessividade e a construção de prisões não tem nada em comum com o amor, como alguns insistem em justificar. Esses sentimentos (negativos, cerceadores) estão relacionados a inseguranças pessoais e o aprendizado de que o outro pode (e deve) suprir as nossas frustrações. Daí nos esquecemos de que toda pessoa deve ter preservada a sua liberdade e a sua subjetividade. Por isso um exercício necessário é estarmos sensíveis não só aos nossos sentimentos, mas aos sentimentos dos outros também.

      Obrigado pelas doces palavras e por contribuir com a reflexão!
      Abraço! ^^

  7. Tatiana de Sena
    Tatiana de Sena04-24-2015

    Belíssimo texto. Parabéns!!!

    • Samuel Silva
      Samuel Silva04-28-2015

      Muito obrigado, Tatiana! Fico feliz que o texto tenha tocado você.
      Grande abraço! ^^

  8. Franklim Melo
    Franklim Melo04-30-2015

    Excelente texto. Recomendo a leitura, este nos alertam para a necessidade de ser o que se é, e não uma simples marionete nas mãos do senso comum.
    Parabéns ao meu querido amigo Samuel Silva.

Deixe uma Resposta